segunda-feira, 29 de junho de 2015

ALÉM DO ARCO-ÍRIS!


Somewhere over the rainbow ... 

Existe uma polêmica. O arco-íris coloriu as nossas redes sociais, através das fotos, com o intuito de celebrar a aprovação do casamento igualitário nos Estados Unidos. Acredito que a zica maior quanto a tal celebração deu-se porque, no Brasil, os cartórios foram obrigados a celebrar o casamento entre pessoas do mesmo sexo pelo Conselho Nacional de Justiça, desde 2013. Sim, já faz algum tempo. Mas, nem de longe, a celebração da vitória nacional repercutiu tanto quanto a estrangeira. 

Daqui, podem surgir dois pontos de vista completamente diferentes. Uns comemoram porque, embora os Estados Unidos ainda sejam a maior potência do mundo, principalmente, no que se refere a viralizar comportamentos, é o amor e seus direitos que estão em pauta. Outros, se revoltam justamente por sermos, ou parecermos ser, tão mais vislumbrados com o que vem decidido lá do alto das Américas do que da nossa própria pátria. Entre os demais empecilhos, ainda existe a saga entre radicais religiosos e radicais homoafetivos, que acreditam que suas verdades impostas de maneira intolerante terão, de fato, algum valor. 

Divergências à parte, creio que o mais importante, e que em hipótese alguma pode ser esquecido por qualquer um dos lados, é que o amor está vencendo. Enquanto a realidade dos divórcios é cada vez mais frequente em diversas culturas, o casamento gay corre o bom risco de ser um fio de restituição desse microssistema que o casamento parece ser. Um microssistema em que dois são, estrategicamente, mais fortes que um Estado inteiro.

Colori a minha foto e dedico a todos os meus amigos homossexuais. Que o meu amor e respeito alcance vocês. 

Dreams really do come true, ooh, ooooh!

sexta-feira, 26 de junho de 2015

HIPSTER BAZAR: MODA E SUSTENTABILIDADE!


A verdade é que a moda sempre me interessou. E, acredito, interessa a maioria das mulheres, de uma maneira ou de outra. Expressar-nos através do que vestimos parece ter deixado de ser algo visto como superficial e passou a ser parte da exposição e manutenção da própria identidade. E, ainda melhor que isso, a moda tem sido abraçada pela sustentabilidade, que concilia o viés da acessibilidade a esse universo vasto, que ela - a moda - é. É exatamente esse o carro forte do Hipster Bazar, de Volta Redonda, interior do estado do Rio de Janeiro, idealizado pelos sócios e namorados Carol Magalhães e Marcelo Monlevad.


Quantas peças de roupas somos capazes de acumular em nossos guarda-roupas, muitas vezes, sem usá-las? Qual é o nível de dificuldade que temos para nos desapegarmos de bens materiais? A dificuldade é imensa para muita gente. Acredite! O conceito abrangido pela Carol e pelo Marcelo é esse e é todo o diferencial.

Vale destacar que o Hipster Bazar não se resume apenas à venda de roupas. Vai além disso! Segundo os proprietários, o espaço foi planejado para tornar-se um lugar onde os clientes possam interagir, fazer novas amizades, tomar um bom Capuccino e conversar sobre a vida. Quem não gosta?! A recepção dos proprietários é calorosa, e isso faz com que a vontade de ficar por lá algumas horas a fio só aumente. O Hipster Bazar foi projetado também no formato de evento itinerante e viaja para cidades próximas em datas definidas, sendo recebido em espaços descolados que conferem moda, decoração, música, gastronomia e beleza.

Fiz uma visita ao bazar/brechó e, com a ajuda da Carol e do Marcelo, selecionei algumas peças para mostrar para vocês. Montamos alguns looks bem bacanas para gostos variados! Dá só uma olhada:

LOOK PARQUE:
Short Zara (R$ 45), Regata Must Store (R$ 45), Pulseiras (entre R$ 3 e R$ 30), 
Bota Arezzo (R$ 85), Óculos RayBan (R$ 260).
LOOK BOYFRIEND:
T-shirt Reserva (R$ 85), Bermuda Timberland (R$ 65), Tênis Zara (R$ 50).
LOOK ROMANCE:
Vestido Farm (R$ 85), Tricot M.Officer (R$ 50), Sapato Schutz (R$ 70). 
 LOOK NOITE:
Short (R$ 30), Camisa Infini (R$ 35), Colar (R$ 20), Sandália Schutz (R$ 75), 
Carteira de mão (R$ 30).
LOOK TRABALHO:
Calça Animale (R$ 100), Camisa Richards (R$ 60), Sapato Arezzo (R$ 65),
 Óculos Ana Hickmann (R$ 80), Bolsa Chanel [Réplica]  (R$ 700).
São peças lindas, não é?! Lá você encontra peças usadas e seminovas da Animale, Fórum, Maria Bonita Extra, Tufi Duek, Farm, Prada, Tory Burch, Calvin Klein, Diesel, Carmim, Zara, H&M, Espaço Fashion, Colcci, Totem, Maria Filó, Victor Dzenk, Folic, Michael Kors, Chloé, Forever 21, Mara Mac, Reserva, Salinas, Água de Coco, Trya, Blue Man, Armani Exchange... São diversas marcas!

Nas redes sociais, vocês podem encontrá-los no Facebook e no Instagram: @hipsterbazar. E, o mais importante! O endereço é: Rua 52, número 22, Vila Santa Cecília - Volta Redonda - RJ. 

Visite o Hipster Bazar e venha contar pra gente o que achou?! E, claro, boas compras! Beijos e até.

segunda-feira, 22 de junho de 2015

SOBRE TATUAGEM E REFLEXÕES.


Hoje

É coisa demais pra gente carregar nessa mochila que é a vida. Há tanto ontem e tanta expectativa do amanhã, que me questiono se há espaço o suficiente na mala. O ontem carregado como se ainda existisse e o amanhã, como se já fosse concreto, ocupam espaço. Muito espaço. E pesam. Para deixar a carga mais leve (um pouco mais leve), tento me convencer que não existe nada além do agora. Um agora que, por exemplo, já não existe mais. 


Hoje, pintado na pele, é para lembrar a mim mesma de viver o momento. Não é um aval para a inconsequência, mas para a entrega. É que se a nossa mente não se ocupa do que está acontecendo aqui, nada é real. Passado e futuro não existem; e o presente entra no piloto automático. Esse é um risco que ninguém deveria correr, já que a vida é para ser vivida. E ela, felizmente, pode ser sempre recomeço. 

O hoje é a maior chance que a vida nos dá.

quinta-feira, 18 de junho de 2015

DEIXE O POVO AMAR!

Embora os presentes já tenham sido dados, eu não queria deixar de falar sobre algo que envolve o tão comentado dia dos namorados. Me refiro aos variados comentários  que esse dia - determinado socialmente - gerou nas redes sociais. Sempre gera. Tudo gera.

Pesquisando sobre as origens do dia dos namorados no Brasil, encontrei um artigo relevante Na História Viva, UOL:

"No Brasil, a história do dia dos namorados começou em 1949. Na época, o empresário João Dória trouxe do exterior a ideia de celebrar uma data em homenagem aos jovens casais. No entanto, a festa passou por algumas adaptações para se encaixar melhor nas tradições do país. Em primeiro lugar, a referência a São Valentim, santo nada popular na cultura brasileira, foi abandonada. Em seguida, trocou-se o dia 14 de fevereiro pelo 12 de junho. A nova data, véspera do dia do “santo casamenteiro”, Santo Antônio, foi escolhida para que a festividade pudesse animar o fraco comércio no sexto mês do ano. E deu certo."

Deu. Vi pessoas se manifestando a favor; se manifestando contra; manisfestando amor; manifestando alegria por estar solteiro. E entre essas manifestações, o que me incomodou mesmo foram os comentários que criticavam as manifestações de carinho naquele dia. Acredito, de verdade, que o dia dos namorados, como o dia das mães, dos pais, das crianças, sejam artimanhas do capitalismo. Mas, ainda assim, eu quis e me preparei para esse dia. A razão? A rotina e a distância podem, muitas vezes, impedir que momentos um pouco mais especiais aconteçam com a frequência que a gente deseja.

Muita gente pode discordar. E eu entendo. O amor é mesmo reconhecido nas demonstrações mais simples, e eu defendo essa ideia. Mas, deixe o povo amar do seu jeito! Mesmo que só seja exposto aos olhares alheios nos dias 12 de junho de cada ano. Entre preconceito, violência e estrelismo na minha timeline, eu prefiro o amor. Esqueça o comercial. 

Finalizo com a única foto que tiramos nesse dia. Dia que houve amor, como em todos os outros.


Beijos e até!

terça-feira, 16 de junho de 2015

ARTE: AS ILUSTRAÇÕES SINGULARES DE CAROL BURGO.

Nascida em Recife e morando atualmente no Rio, Carol Burgo é uma talentosa ilustradora, designer, publicitária e blogueira. Conhecida por muitos cantos pelo seu trabalho com o Small Fashion Diary, um blog - maravilhosamente gente como a gente - sobre moda e afins, a Carol ganhou o meu coração colorido com as suas ilustrações. Dá só uma olhada:







Dessas aqui, a minha favorita é a da Frida Kahlo. Não são lindas demais? Pois é. Há um tempinho descobri que algumas ilustrações estavam disponíveis para compra, o que dava para bolar quadros lindos para decoração. Então, seguinte: visite o blog Um Breve Romance e descubra mais detalhes sobre esse trabalho que é único! Depois você me conta aqui?!

Beijos e até!

segunda-feira, 15 de junho de 2015

PARA LER: COMPROMETIDA (ELIZABETH GILBERT).

Histórias de amor já me prendem. Histórias reais de amor, ainda mais!


Comprometida é o romance de Elizabeth Gilbert, que narra a sua própria experiência e dá continuidade ao livro, já tão comentado, Comer, Rezar, Amar (que até virou filme). Nele, Elizabeth se concentra em desvendar o que é o amor e qual é o valor e o protocolo do casamento em diversas culturas e períodos da história. Isso, a fim de tentar convencer-se quanto a escolha dele: o casamento. A leitura desse romance, no meu caso, foi daquelas que instigam de um jeito que a gente não consegue parar numa página sem antes terminar o capítulo. Sabe como é?!

Javier Bardem e Julia Roberts interpretam o casal Felipe e Elizabeth em Comer, Rezar, Amar.
Para quem ainda não conhece nada sobre a história do livro que antecede Comprometida, vale compartilhar que Elizabeth era (no caso, é) uma mulher bem sucedida, de uma família tradicional e estava casada - sem estar feliz. Depois de desistir do casamento considerado estável por quem o via de fora, Elizabeth resolveu viajar durante um ano. E, como destinos, escolheu a Itália, a Índia e Bali. Enquanto ela conhecia novos lugares, Elizabeth começou também uma viagem de autodescoberta. Ao final da empreitada (em Bali), conheceu Felipe e se apaixonaram um pelo outro. E é o seu relacionamento com Felipe o plano de fundo de dessa história.

Os verdadeiros Felipe (que é José) e Elizabeth.
Não posso deixar de comentar que o meu livro está todo rabiscado, circulado e sublinhado. Selecionei alguns trechos que, de alguma forma, mexeram comigo para te deixar com um gostinho de "quero mais":

"Toda relação real é impossível nesse estado de febre desvairada. O amor real, são, maduro, do tipo que paga hipoteca ano após ano e busca os filhos na escola, não se baseia em paixão, mas em afeto e respeito." (p. 95)

"Todo mundo se apaixona pelos aspectos mais perfeitos da personalidade do outro. Quem não se apaixonaria? Todo mundo consegue amar as partes maravilhosas do outro. Mas isso não é ser esperto. O truque esperto é o seguinte: dá para aceitar os defeitos?" (p. 116)

"Para mim, esse ato, o ato da conversa noturna tranquila, ilustra mais do que tudo a estranha alquimia do companheirismo. Afinal, quando Felipe descreveu as braçadas do pai, peguei aquela imagem aquosa e a costurei cuidadosamente na bainha da minha vida, e agora vou levá-la comigo para sempre. Enquanto viver, e mesmo muito depois que Felipe se for, a sua lembrança da infância, o pai, o rio, o Brasil, tudo isso também, de certo modo, passou a ser meu." (p. 202)

O que fez com que eu me apaixonasse mais pelo segundo livro do que pelo primeiro, foi perceber que, embora Elizabeth tivesse experimentado tantos desencontros no amor e consigo mesma, um novo relacionamento foi capaz de impulsioná-la e fazê-la acreditar que, desta vez, as coisas poderiam ser boas, sim. E mais! Sem que ela perdesse a sua identidade. Sem que ela precisasse abrir mão da Elizabeth que descobriu ser para transformar-se em outra que, talvez, Felipe esperasse (o que não é o caso).

Elizabeth Gilbert.
O livro é um misto da história do amor e do casamento em diferentes culturas e devaneios próprios da autora. Deixei de contar vários detalhes, para não exagerar no spoiler. Assim, você pode ler e vir contar pra gente o que achou, combinado?!

Beijos e até!

domingo, 7 de junho de 2015

5 COISAS QUE APRENDI SOBRE MUDAR DE CASA.


1) Economize para a mudança e planeje-a: Porque uma mudança mal planejada pode custar muito mais caro que uma mudança que foi minuciosamente orçada. E, além disso, é sempre bom estar preparado para imprevistos que podem surgir no dia.

2) Contrate profissionais: Mesmo que sejamos muito cuidadosos com os nossos pertences, um montador experiente tende a desmontar e remontar os nossos móveis com mais habilidade que nós. Um profissional experiente em frete costuma saber distribuir melhor os móveis dentro do caminhão para evitar quedas e quebras de itens, por exemplo. O que pode não ser muito bacana para o bolso, vale à pena se considerarmos que, assim, evitamos certas chateações, não é mesmo?

3) Nomeie as caixas e prefira as pequenas para itens aleatórios: Bom, isso não é uma regra universal. Na verdade, essa ideia foi resultado de um pensamento lógico: entendo que distribuindo nossos pertences em caixas pequenas elas tendem a ficar mais leves. Dessa forma, o carregamento é facilitado e, consequentemente, mais acelerado. Sem contar que, com as caixas leves, nenhum amigo pode se esquivar da mudança (rs!). Aqui, ganhamos algo valioso: tempo!

4) Menos pode ser mais: Algumas pessoas podem discordar ao ler. Mas, eu explico a minha razão. Termos um grupo de amigos dispostos a nos ajudar com o carregamento é, de fato, um trunfo! Mas, suponho que ter muita gente perguntando várias coisas ao mesmo tempo, ter uma movimentação turbulenta pela casa e ver cada um limpando e distribuindo as caixas a sua maneira pode, por exemplo, aumentar o risco de estresse no ambiente. Essa é uma dica (como as outras), não uma regra. Afinal, amigos são amigos e toda ajuda é válida!

5) Mudança requer tempo: E quando digo tempo, significa muito tempo. Desde quando ela começa a ser planejada até o dia de mudar-se. Nesse dia (ou nesses dias, já que pode levar mais de um, dependendo do caso), não planeje qualquer outra coisa além disso. Evite acreditar que "Ah, conseguimos fazer rapidinho!". Essa não é uma opção, meu amigo (rs!). Então, prepare-se para ter foco e procure curtir o momento, por mais chato que possa parecer. Música alta e animada ajuda muito, viu?! 

Então, mãos à obra! E, por fim, curta o seu novo lar!


Imagem: Google.

sábado, 6 de junho de 2015

O LADO BOM DO DESAPEGO.


Hoje foi o dia de começarmos a encaixotar as coisas de casa para a nossa mudança. E, como muitos devem concordar, mudar-se envolve a gente num misto de alegria e cansaço. Mas, não tem problema; já que esse cansaço, especificamente, é um mal que vem para bem.

Enquanto esvaziava o armário, me atentei para o quanto pode ser difícil se desapegar de algumas coisas. Há tempos guardo livros didáticos, cadernos antigos, agendas de alguns anos que não foram utilizadas ... uma porção de coisas que ocupavam espaço, e apenas isso. Digo "ocupavam" porque, dessa vez, elas não vão mais continuar me acompanhando para onde eu for. Depois de selecionar várias coisas para descartar, eu me dei conta de que, de fato, eu não precisava delas. 

Esse é um erro que, muitas vezes, nós cometemos: carregamos com a gente coisas das quais não precisamos - coisas que pesam e ocupam espaço - sem que haja necessidade alguma disso. Com os traumas, com os medos, com as culpas e até mesmo com algumas pessoas, podemos cometer o mesmo engano. Carregá-los sem ter razão. 

Hoje, me desfazendo de coisas materiais, eu entendi que, às vezes, é necessário deixar aquilo que não nos serve mais passar. Porque, assim, o que a vida tiver a nos oferecer de novo vai ter um espaço claro e limpo pra fazer morada quando chegar.

quinta-feira, 4 de junho de 2015

MORAR SOZINHA: PRÓS E CONTRAS!


OS PRÓS?

1) Você percebe-se uma pessoa corajosa.

Sim, ao morar sozinho, você passa a se enxergar de uma maneira diferente. E isso pode ser muito bom para a autoestima.

2) Você não dá satisfações sobre onde vai.

O que é maravilhoso! Aqui, o mais importante, é a liberdade. Sem contar, é claro, que você economiza energia por não ter que se explicar toda vez que for sair de casa.

3) Você passa a ser mais controlado financeiramente.

Já que tudo que você tem ou terá vai depender do seu dinheirinho suado, você passa a valorizá-lo muito mais. E é bacana perceber o quanto isso pode ser positivo.

4) Você pode ter bichos de estimação se preocupar em incomodar ninguém.

Enquanto eu morava sozinha, tive dois gatinhos de estimação. Um deles invadiu o meu antigo trabalho, todo machucado. Sem pensar duas vezes, o levei pra casa. Puro amor!

5) Você pode receber quem quiser em sua casa.

Sem ter que se preocupar (como as mães se preocupam) em deixar a casa toda ajeitadinha, com uma comida bem bacana à espera da visita. Quem você recebe já são seus amigos. Eles vão sempre entender a sua baguncinha.

OS CONTRAS?

1) Você não tem hora para dormir.

O que pode parecer um vantagem é, na verdade, uma cilada. Não ter horários a seguir pode ser prejudicial pra sua rotina e seu rendimento no trabalho, por exemplo. Cuidado com a maneira como você administra o seu tempo.

2) Você sente o peso da responsabilidade de ser você.

Vivendo sozinho, você passa a pedir poucos conselhos e a depender exclusivamente das suas decisões. O que quer que você decida, você vai ter que lidar com as consequências.

3) Você se sente sozinho, muitas vezes.

Principalmente, quando mora-se longe da família. E foi esse um dos motivos que me fez voltar a morar com o meu pai.

4) A organização da casa é por sua conta.

As roupas não surgem lavadas e passadas dentro do guarda-roupas. A comida não aparece prontinha nas panelas em cima do fogão. Temos que lidar com isso e tomar providências sérias (rs!).

5) Muitas pessoas te procuram por conveniência.

Ainda mais se o lugar em que você escolheu viver for repleto de belezas naturais. Isso é comum entre os jovens. Algumas pessoas, infelizmente, podem sim procurá-lo por ter um bom lugarzinho pra ficar na cidade.

Imagem: Google.






5 PERFIS DO INSTAGRAM PARA SEGUIR (SORRINDO)!

Considerando que, hoje, o Instagram é a minha rede social favorita - e a que me faz ficar mais tempo com o celular nas mãos -, pensei que seria uma boa trazer para cá alguns perfis que tem prendido a minha atenção ultimamente. Escolhi 5! E, sim, a escolha foi complicadinha (rs)! A lista ficou assim:



Suspeito que sejam poucos os que ainda não conhecem o projeto Nômades Digitais, criado pelo Eme Viegas e pela Jaque Barbosa. Sabe aquele casal que idealizou o Hypennes e o Casal Sem Vergonha? Então! São os mesmos criadores desse projeto aqui. Na verdade, eu conheci primeiro o site; a conta do Insta me veio bem depois. Além de postarem nele todo o conteúdo disponível no site, as fotos publicadas fazem a gente se coçar de vontade de chutar o pau da barraca e mudar logo de vida! Recomendadíssimo.



Dois vira-latinhas que são só doçura! Ringo e Lucy são os cães da Isadora Ribeiro, do blog Na Nossa Vida (que conheci há pouco tempo, mas que estou acompanhando bem de perto!). Eles já fazem bastante sucesso pelas bandas do blog e, no Insta, não nos poupam de charminho e muita pose!



Nathalie Geffroy é diretora artística em Paris. E confesso não saber de nada além disso (que feio!). Mas, o negócio é que as fotos são tão encantadoras que a própria falta de informação adicional vai passar sem que se perceba! Vale sinalizar aqui que essa foi uma das primeiras contas do Insta que comecei a seguir.



Fotógrafo brasileiro, de São Paulo, sinto que o Fabs Grassi captura a essência das mulheres que fotografa, num estilo que eu, pouco entendida do assunto, chamaria de nu artístico. As fotos, que guardam um certo mistério, são quase um texto, e parecem querer dizer mais do que aquilo que foi registrado. Chega a ser poético.



Pois é! Sabe a conta do Insta que você encontrou num belo dia, mas não acha nenhuma informação detalhada sobre ela (pra poder indicar tudo direitinho pras pessoas)? Então, o caso é bem esse! Com o status “dá pra combinar descombinando”, as fotos são de looks de uma moça que eu, particularmente, admiro, por provar que, sim, dá pra combinar descombinando! Um pedido? Se alguém souber algo sobre, conta pra miiim!

E agora, me diz você, quem você tem seguido por aí? Beijo e até!


terça-feira, 2 de junho de 2015

ONDE ENCONTREI POSTERS GRATUITOS PARA A DECORAÇÃO.

Com a mudança da nossa casa se aproximando, várias idéias de decoração estão fervilhando na minha cabeça (e nas dos amigos mais chegados, porque - claro! - estou cobrando boas dicas deles, rs). Ok! De fato, não dá para fazer tudo de uma só vez, mas "de grão em grão", a casinha vai tomando forma. Enquanto isso, o que for surgindo de bacana e eu puder compartilhar, trago pra cá. As minhas pequenas alegrias de decoração do momento são esses posters, que são uma graça! 





Buscando posters para download gratuito na internet, encontrei indicações (não me lembro em que site, exatamente) dessa página no Pinterest em que a Revista Sorria disponibiliza essas fofuras para os seus leitores. Um achado!


O que fiz foi o seguinte: escolhi meus modelos favoritos, fiz os downloads (que já estão em PDF), levei os posters salvos em pen drive para a gráfica e os imprimi em folha A3, no papel couché (que tem um certo brilhozinho, sabe?). Fiquei muito contente com o resultado! A resolução é realmente impecável.

Eu escolhi emoldurá-los e ainda estou pesquisando onde fazer isso aqui na minha cidade, com um custo benefício bacaninha. Mas, outros jeitinhos de usá-los são boas alternativa. Você pode 1) colar seu poster na parede com fita adesiva colorida ou até mesmo 2) anexá-lo em uma prancheta e pendurá-la na parede. 

Depois de prontos, só me resta escolher em quais cantinhos da casa eles vão ficar! E você? Conhece outros sites para download de posters? Então, conta pra gente nos comentários. Beijos e até!

segunda-feira, 1 de junho de 2015

PARA ASSISTIR: PARA SEMPRE ALICE (2015).


Em Para Sempre Alice (2015), o fato de a personagem principal, Alice Howland (Julianne Moore), ser professora de linguística chamou a minha atenção desde o início. Isso porque (para quem ainda não sabe) sou formada em Letras. O apreço da personagem pela comunicação é muito bem evidenciado e, creio eu, fez bastante diferença para que a gente entendesse o forte elo entre Alice, as palavras e as lembranças. Aqui, quem ficou encantada, fui eu.


Bem sucedida, tanto profissionalmente quanto em relação à vida familiar, as coisas tomam outro rumo para Alice quando ela percebe que um problema começava a atrapalhar muito o seu cotidiano: as falhas constantes de memória.


Após várias consultas ao neurologista, Alice descobre ser vítima do Alzheimer precoce que, além de raro, é hereditário. Daí por diante, as mudanças em sua rotina e na de sua família são, de fato, radicais. E é tocante notá-las.


Posso dizer por mim: é impossível segurar o choro! O amor que a família de Alice tem por ela se manifesta em cada decisão de seus familiares ao seu respeito, principalmente, na paciência do trato que tem com ela. Dito isso, vou evitar comentários mais detalhados; assim, você pode assisti-lo também e vir contar depois o que achou. Vamos combinar assim?


Se você ficou curioso e procura detalhes técnicos, clique aqui. Deixo o trailer, para aquele gostinho de "quero mais". Beijo e até!